Abdominoplastia

Abdominoplastia

A abdominoplastia é a cirurgia onde retiramos o excesso de pele e gordura da região inferior do abdômen, realizamos o reposicionamento da musculatura abdominal, podendo-se corrigir também o excesso de pele das laterais ao abdômen (flancos).

A região abdominal é suscetível a alterações que podem comprometer a estética corporal. Além do acúmulo de gordura, a flacidez da pele, a presença de estrias, gestações prévias e falta de atividade física contribuem para a existência de abdômens volumosos, sem definição, com a musculatura flácida e com “avental”. Muitas das alterações estéticas do abdômen são passíveis de correção cirúrgica; porém, dependendo do caso, as cicatrizes podem ser longas e há necessidade de associação de procedimentos (ex: lipoaspiração com abdominoplastia).

A abdominoplastia, ou dermolipectomia abdominal é a cirurgia onde retiramos o excesso de pele e gordura da região inferior do abdômen, refazemos a cicatriz umbilical, realizamos o reposicionamento da musculatura abdominal, podendo-se corrigir também o excesso de pele das laterais ao abdômen (flancos).

A cicatriz resultante pode ser mais ou menos longa, e fica localizada logo acima dos pêlos pubianos, acompanhando o formato das roupas íntimas ou trajes de banho, e outra redor do umbigo.

Em casos bem selecionados, onde o abdômen superior é liso, sem flacidez, e há um pequeno excesso de pele infra-umbilical, é possível a realização de um procedimento menos agressivo e com cicatrizes menores, a miniabdominoplastia. A lipoaspiração (vide tópico lipoaspiração), associada ou não aos procedimentos de retirada de pele, é de uso rotineiro na melhora do contorno corporal quando há excesso de gordura. Nos pacientes que apresentam grandes excessos de pele, principalmente após grandes emagrecimentos (após cirurgia bariátrica), as cicatrizes necessariamente serão maiores, sendo freqüente a necessidade de mais de uma cirurgia na mesma região. A associação de técnicas, muitas vezes é fundamental para melhorar os resultados pós-operatórios e a satisfação dos pacientes. A anestesia pode ser geral, bloqueio peridural, raquianestesia, ou anestesia local e sedação para casos menores e bem selecionados.

Há edema (“inchaço”) e equimose (“roxos”) variáveis no pós-operatório, e geralmente associamos a drenagem linfática para melhor conforto do paciente.